A Seca – Jane Harper

De regresso, após uma ausência sem motivo algum, para partilhar a minha opinião sobre os livros que leio. A Seca não é de todo uma seca. Talvez seja o melhor policial que me lembro de ter lido. E não se trata de uma frase de promoção. Apenas, adoro quando a história é tão absorvente, mas…

«YORO» de Marina Perezagua :: Opinião

«YORO» de Marina Perezagua é inquietante, visceral, duro, apaixonante, vibrante, desconcertante, anguloso, (digo eu) inovador, resiliente, descritivo, ritmado, fascinante, onírico, labiríntico, visual. contemporâneo, sofredor, real e altamente inclassificável, entre o horror do que descreve e a beleza da escrita. É também bastante difícil de dosear a leitura, já que é extremamente viciante toda a relação…

Roda dos Livros – Junho de 2017

Quem chega à biblioteca alguns minutos antes da Roda dos Livros começar oficialmente pode seguir as gargalhadas e encontrar-nos-á, à volta de uma mesa, a pôr a conversa em dia – afinal a roda há muito que se tornou parte da vida de cada um de nós. Confesso que ainda pensámos em mudar a Roda,…

Roda dos Livros –Encontro de Maio de 2017

Em tarde primaveril, a Roda dos Livros voltou a encontrar-se à volta de uma mesa com muitos e variados livros. Aqui ficam as sugestões de leitura de Maio: Rui – “&etc – Uma editora no subterrâneo” Cristiana – “A Terra que pisamos” de Jesús Carrasco Ana – “Perto da felicidade” de Richard Yates Sónia –…

Roda dos Livros – sugestões de Abril de 2017

Numa tarde de Primavera que mais parecia de Verão, a Roda dos Livros voltou a encontrar-se para uma sessão de conversa animada em redor dos livros. O resultado foi esta pilha, muito variada, de sugestões interessantes : Márcia: “Rapariga em guerra” de Sara Novic e “Persépolis de Marjane Satrapi Rui: “A trégua” de Mário Benedetti…

A Avó e a Neve Russa – João Reis

João Reis opta, aqui, pelo caminho mais difícil: escolhe, como narrador, um menino de dez anos e mantém, ao longo de todo o livro, o tom da inocência deste confrontada com os factos, muitas vezes nada suaves, da vida que o rodeia. Para complicar ainda mais as coisas, este não é um menino de dez…

O Ruído do Tempo – Julian Barnes

Gosto tanto da escrita apurada e sintética de Julian Barnes. Sem falhas. Ritmada. Como uma bela música. Desta feita sobre a vida e obra de Dmitri Chostakovich, um importante compositor russo do tempo do estalinismo, atormentado e manipulado pelo poder, que o ameaçava e punia quando não agradava ou bajulava e premiava quando cedia. Dividido em…

O Último Paraíso – Antonio Garrido

 Como o título sugere, neste livro temos uma história de esperança de desesperados que na década de 1930 emigraram para a Rússia com a promessa de um futuro melhor. Este facto, que eu desconhecia, em que milhares de emigrantes como técnicos e operários especializados, idealistas e desesmpregados partiram em resposta ao apelo de prosperidade, mas…

A louca da casa – opinião

“(…) continuo a pensar que escrever nos salva a vida. Quando tudo o resto falha, quando a realidade apodrece, quando a nossa existência naufraga, podemos sempre recorrer ao narrativo.” A loucura, a realidade, a memória e a imaginação, são temas centrais ou até fulcrais nesta e em outras obras da autora. A descrença no passado…

«Sete anos bons» de Etgar Keret :: Opinião

Aterrei neste «Sete anos bons» um pouco ao acaso, mas confesso que ao fim de poucas páginas estava rendida ao humor e à narrativa um pouco peculiar deste autor. Etgar Keret é uma das vozes mais populares entre escritores israelitas contemporâneos e está fortemente traduzido. Bastante aclamado e requisitado, as opiniões sobre os seus (essencialmente)…

«A vegetariana» de Han Kang :: Opinião

Han Kang, vencedora do Man Booker Internacional Prize traz-nos em «A Vegetariana» uma enredo familiar perturbante e simultaneamente onírico. “Dormir em lapsos de cinco minutos. Mal deslizo para lá da consciência atordoada, lá está ele de volta – o sonho. Já nem posso chamar-lhe isso.  Olhos de animais a reluzirem com um ar selvagem, a…

Uma dor tão desigual :: Opinião

Os contos povoaram o meu final de 2016 e alguns deles atravessaram o ano e continuam comigo, é o caso do conto «Jogo honesto» de Nuno Camarneiro que se encontra nesta colectânea. «Uma dor tão desigual» propõe-se a abordar a saúde mental, explorando as inúmeras fronteiras e as dificuldades associadas à depressão, solidão, demência ou…