«Todos os Dias são Meus» de Ana Saragoça :: Opinião

Um enredo mirabolante que espalha personagens e vidas que se assumem como tentáculos, sugam o leitor e viciam-no até atingir a última página.

Anúncios

Quando fores mãe, vais ver – Ana Saragoça

Quando dei por mim estavam várias pessoas a olhar e eu quase sem conseguir conter o riso em plena sala de espera do consultório médico. Foi assim durante praticamente toda a leitura desta jóia literária que se faz de “Pérolas do Folclore Materno”. Uma regresso à infância ou talvez não, porque tal como a mãe da…

Todos os dias são meus, de Ana Saragoça

O truque é escrever o suficiente para vos acicatar a curiosidade e vos fazer ir procurar, comprar e ler este livro mas escrever apenas esse suficiente. Porque expectativas elevadas são o que mais estraga a leitura de um livro. E este livro merece ser apreciado e acarinhado. Por isso estão a ver o meu problema,…

“Todos os dias são meus” de Ana Saragoça

  A leitura de “Todos os dias são meus” estava, para mim, associada à sombra algo inquietante de expectativas muito elevadas. Daqui resultam normalmente dois desfechos antagónicos; ou se leva com um frustrante balde de água glacial na cara ou se fica deslumbrado perante o talento do autor e perante a história que nos é…

Todos os Dias São Meus – Ana Saragoça

  Li este livro de um fôlego. Todo seguido. Não por serem só 100 páginas, nem por ser um policial empolgante – devo dizer que consegui atravessar todo o livro sem a menor curiosidade sobre quem seria o assassino. Não, não sofro de apatia patológica. O que se passa é que o enredo policial foi…

Todos os Dias são Meus – Ana Saragoça

É perigoso ter expectativas altas. Mas como não as ter com a forma como este livro me foi apresentado? Numa sessão da Roda dos Livros, com a presença de alguns autores do Colectivo NAU, Ana Saragoça ofereceu-nos uma interpretação do primeiro capítulo do seu livro, “Todos os Dias são Meus”. A Porteira que todos ficámos…

“Quando Fores Mãe, Vais Ver” de Ana Saragoça

O livro ideal para se fazer figura de idiota públicamente. Isto claro está, se ao lerem em transportes públicos se exprimirem fácilmente por expressões faciais (e até sons) compatíveis com o tipo de leitura. Eu, supunha que a minha mãe, uma ribatejana típica com muita personalidade e energia, era sui generis, mas descobri através desta…