«A terra que pisamos» de Jesús Carrasco :: Opinião

Jesús Carrasco volta com mais dor e mais vazio, provando que a humilhação e o medo têm o poder de amputar e anestesiar quem é subjugado e cujo a vida é fruto dessa aridez que é a submissão imposta e ameaçadora. Assim é o cenário aqui construído, numa terra que cravou marcas profundas em quem a cedeu, mas não menos em nela fez vida, pisando o sangue e os ossos daqueles que vitimaram e mataram.

“O sono é um imperativo necessário mas frágil. (…) Molhar-se, claro, mas nunca se sentir envolvido por essa outra substância que purifica a pele e a pressiona. (…) O sonho como combustível para a consciência. Para poder voltar a transitar pelo inferno, nem que seja aos tropeções. O inferno é estar acordado e o verdadeiro descanso, nessas condições, só pode ser procurado pela morte. Ter os olhos abertos já não significa dor (…) Estar acordado significa não ser capaz de interpretar o que acontece à sua volta.”

Uma presença inesperada desperta de um certo torpor uma mulher que, isolada, habita uma casa e uma terra, ganha pela violência exercida pelo marido e a força militar a que pertencia, durante um período de anexações de novas terras ao maior império existente. Esta presença, estranha e silenciosa, altera-lhe os contornos do pensamento e da consciência, exigindo uma aceitação que a condena e a faz sofrer, expiando os seus pecados enquanto expia aquele homem que se acanha e se contorce como quem se pretende fundir na terra, na Natureza, que mesmo bruta e exigente nunca humilha, como os homens se humilham uns aos outros.

“Pela primeira vez penso que o seu alheamento não é mais do que o resultado do sofrimento pelo qual passou. (…) Aceita o sofrimento como se a sua origem fosse espontânea, como se fizesse parte do que está à sua volta. Mas não foi assim, pois não há na natureza nada que per se seja humilhante. O que este homem carrega nos ombros foi-lhe infligido por outros.”

Com este livro, Carrasco venceu o Prémio de Literatura da União Europeia 2016, já tendo sido bastante aclamado pela crítica com o seu romance anterior «Intempérie». Considero este superior, pois mantêm todo o esmagamento provocado pela humilhação, o desconhecido e a crueza da natureza, tal como no outro, mas acrescenta um detalhe muito interessante, a desigualdade feminina e o poder de uma mulher visto como desafio aos homens que a rodeiam. Essa voz feminina que aqui encontramos traz, a meu ver, outra força ao texto.

“Ele pode suportar a ideia de ser interpelado por outro homem (…) Mas eu sou uma mulher e estou a desafiá-lo. (…) Fica muito bem que sejamos nós a fazer refer~encia aos soldados como «filhos da pátria» ou «nossos rapazes», dando a entender que qualquer jovem que luta pelo império também é nosso filho.”

(…)

“Teria preferido travar esta batalha na nossa sala. Ali ter-me-ia apoiado na visão dos livros. Cada lombada emite uma luz que compreendo claramente. (…) Ter-me-ia deixado aconselhar por Séneca. Ele ter-me-ia apaziguado. Ali, com os nossos licores, sob as madeiras talhadas do teto, teria dominado este homem irritante.”

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s