Ouro e Cinza – Paulo Varela Gomes

ouroecinzaPor vezes tenho a sorte de ler livros que ficam comigo muito tempo. Não só depois de os terminar, o que acontece frequentemente, e ainda bem, mas enquanto os leio. É raro. Gosto de ler depressa. E muitas (demasiadas) vezes cometo o pecado de ler o final do livro já com a cabeça no próximo. Nenhum autor merece. Mas o leitor também não. Arrependo-me, mas não evito. Não corrijo. Reincido.

Mas quando um livro fica na mesinha de cabeceira alguns meses sem ser por me ter entediado dele, e o levo na mala mesmo sabendo que não terei tempo ou oportunidade de lhe pegar, sei que se entranhou o suficiente para ler umas linhas hoje e outras amanhã, protelando o final com desvios páginas atrás, adiando a distância à contracapa.

Mas esse dia chegou, e li todas as palavras de Ouro e Cinza. Algumas li várias vezes e sei que lerei muitas mais.

Do brilhantismo da escrita, à lucidez do autor, passando pelas paisagens que conheço, e olhando de espanto para aquelas que só vi nestas frases, tudo guardo.

Porque sabe bem pegar num livro de crónicas como este, todo lucidez, com um tratamento objectivo pelas coisas que se olham e, mesmo assim, deliciar o leitor como se fosse um romance. Nem sempre a verdade é bonita, por isso é que fugimos para a ficção, mas um bom texto, aquele que nos ganha, pode ter cinco linhas e ser sobre o que se passa do outro lado da janela. Parece simples. Só é preciso saber escrevê-lo.

Sinopse

«São acerca de quê, estas páginas? Não sei como responder a esta questão. Sentimentos, sítios, ideias, objectos, imagens, climas, bichos, plantas.
Escrevi crónicas regulares para jornais e revistas durante trinta anos, desde 1984. Foram milhares e milhares de páginas. Habituei-me ao formato limitado, entre quinhentas e mil palavras por texto, mais coisa, menos coisa, e reparo hoje que, desde as primeiras crónicas, no “Blitz” e no “Jornal de Letras”, encontrei uma certa facilidade nesse formato. O facto de serem poucas as palavras nunca evitou que dissesse asneiras, mas teve a grande vantagem de impedir que fossem muito graves. Por outro lado, poucas palavras implicam palavras certas. Aprendi a escolhê-las com cuidado.
Colaborei com o “Público” desde que este jornal apareceu, em 1990. Escrevi textos de variados géneros e, entre 2007 e 2013, crónicas regulares que se distribuíram por três séries: “Cartas de Cá” (mais de oitenta), “Cartas do Interior” (mais de cem) e “Cartas de Ver” (cerca de cinquenta). Foram muitas semanas e muita vida, muito ouro e muita cinza. Seleccionei para este livro algumas crónicas das duas primeiras séries, aquelas que ainda hoje me parecem bem, conjuntamente com alguns artigos mais longos, que saíram tanto no “Público” como em outras publicações. Espero que os leitores, tanto os que já conhecem estes textos como aqueles que nunca os leram, gostem da variedade do mundo observada em poucas palavras.» —PVG

Tinta da China, 2014

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s