«Desmobilizados» de Phil Klay – Opinião

 «Desmobilizados» não é um livro fácil nem habitual, pelo menos para mim. Sem a estrutura fluída de um texto encadeado ou com os mesmos personagens, o relato é, como o New York Times o intitulou, «A loucura de guerra contada na primeira pessoa». E é essa loucura que aqui testemunhamos ao longo de doze contos, que inicialmente quase parecem emparelhados, mas que são relatos dispersos, descritivos e vívidos de episódios acontecidos a diversos desmobilizados da guerra dos Estados Unidos com o Iraque.

Apesar da linguagem crua, dos momentos brutos e sem filtros e apesar de infelizmente termos a nossa mente povoada de imagens que a tv nos “oferece” da guerra, seja a realidade noticiada seja a ficção, é-nos mesmo assim duro de ler determinados episódios, como acontece com Jenks no capítulo «Histórias de Guerra» ou, tocou-me também a angustia e a tentativa de refúgio, de salvação na fé, que nos é relatado de forma quase descrente e confusa em «Oração na fornalha».

Em «Corpos» vemos a forma vazia e seca com que um deles se tenta ligar à vida após a desmobilização. Mas a forma como ele próprio relata a sua vivência da guerra demonstra os efeitos da guerra. A depressão, o transtorno, a violência, a dependência de substâncias, mas também a dúvida, a constante busca pelo sentido face a toda a brutalidade a que ficam expostos.

“- Quando nós disparamos, é para matar – gritou.

Os marines deram um rugido colectivo de apoio.

– Não quero que nenhum dos meus marines morra por ter hesitado – continuou o coronel.

– Os marines não disparam tiros de aviso.”

Ainda nem a meio do livro teria chegado e a pergunta que me assombrava era se alguma vez estes homens e mulheres, mesmo desmobilizados alguma vez o serão verdadeiramente!? Se o abismo que a guerra abre é de alguma forma reversível?

Parece-me muito difícil, apesar dos grupos de ajuda, das associações de veteranos, das ferramentas para potenciar a integração e o retorno à vida que tinham antes da guerra. O stress pós-traumático, a ansiedade, a tristeza, os pesadelos, as desilusões face aquilo que achavam que era a guerra e aquilo que foi realmente, a percepção com que ficam para o futuro e claro, a dependência de muitos do álcool e da droga, culminando alguns no suicídio ou então em sucessivas missões, umas a seguir às outras, questionando pouco ou nada, os verdadeiros motivos.

“- No Exército, costumávamos dizer que a percepção é a realidade.

Na guerra, muitas vezes, o que interessa não é o que realmente está a acontecer, mas o que as pessoas pensam que está a acontecer.”

Este argumento consegue rematar e dar lógica a todo o livro e aos episódios que contêm, até quando se critica e se denunciam situações que nos parecem desorganizadas, corruptas e abusivas, mas essa é a guerra, tem efeitos colaterais e resume-se muito a números, a políticas, a interesses e muito aquilo que se quer mostrar face aquilo que realmente se passa no terreno. E nisso o livro é muito rico, pois aponta a vários alvos, todos eles são militares, mas todos estiveram em serviços diferentes e juntos dão um panorama mais vasto.

“O gatilho estava ali, a pedir que eu o apertasse. Não há muitas ocasiões na vida em que tudo se resume a um «carrego neste botão?»”

Esta ideia de premir um botão e de que por vezes na guerra muito se resume a minutos ou segundos, contrapõe muito bem com o conto «OIF», onde somos bombardeados de siglas e pensamos em como a guerra tem tanto de botões sim/não, como de burocracia, politiquices e estratégias menos claras. Para no final, tudo se resumir à destruição e à miséria que daí resulta. Não é simples, não é só o «fim de missão».

«Hoje, não há príncipe, nem profeta, nem chefe, nem holocausto, nem sacrifício, nem oblação, nem incenso, nem um local para te oferecer as primícias e encontrar a misericórdia.»

Advertisements

Um pensamento sobre “«Desmobilizados» de Phil Klay – Opinião

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s