O Espião Português – Nuno Nepomuceno


CAPA_espiao-200x300Lido em dois dias. Há muito que não lia tão compulsivamente, e este “Espião Português” veio mesmo a calhar numa fase em que cada leitura estava a demorar muito tempo. Fases estranhas em que as páginas demoram a passar, em que a concentração é fraca porque há demasiadas coisas em que pensar.

Então nada como um livro envolvente e cheio de acção, absorvente, de modo a sugar toda a atenção, e deixar de parte aquelas chatices do dia-a-dia, que não interessam nada, que não matam mas moem.

No sábado abri a primeira página e entrei na vida do André. Ou ele entrou na minha, não sei, porque enquanto a leitura durou, ou estava a ler ou a pensar no que iria passar-se a seguir. Queria sempre saber mais. O livro está bem pensado e bem estruturado, cumpre o seu objectivo, é um claro “page-turner”, e mesmo nos capítulos mais longos o entusiasmo não esmorece, até porque é nesses que se passam os momentos mais empolgantes, são picos em que me deixei levar completamente pela história e repetia para mim mesma: “só mais uma página”!

E, página após página, cheguei rapidamente ao final (segunda-feira), por um lado pensando porque ainda não tinha lido este livro, mas ao mesmo tempo concluindo que foi melhor assim, já que no dia 6 de Maio a leitura pode seguir para o segundo volume, “A Espia do Oriente”.

É difícil escrever sobre este livro. Não porque não tenha muito a dizer, mas porque corro o risco de revelar demais, o que é muito pouco conveniente para um livro de mistério, em que se deseja, pelo menos eu desejo, ser surpreendida. Acima de tudo senti um grande cuidado na construção da personagem do André, foi criado para que gostem dele, sofram por ele, é um tipo bem-parecido, inteligente, atlético, com excelentes princípios, apesar de enfim, ser espião e poder matar e magoar pessoas. Mas isso interessa pouco quando há a dita empatia, o André é o herói e não há mais conversa, principalmente, desconfio eu, para as leitoras femininas mas sensíveis, enfim, aos encantos descritos. Bem jogado e bem conseguido por parte do autor, fica tudo em brasa depois deste final em que…pois… é melhor não contar.

Eu gostei de muitas coisas neste livro, se calhar até gostei de tudo, que é uma coisa muito rara, mas o que gostei mesmo foi de ler um livro de espionagem e mistério de alto nível escrito por um autor português. É de apreciar, apoiar e, acima de tudo, ler. Ler com prazer na nossa língua linda, tantas vezes maltratada, subestimada e rejeitada para o que vem de fora. Preconceitos parvos de quem vai atrás da fama e dos números. E querem mesmo saber porque é que há tanto tempo não escrevia uma opinião sobre um livro de policial/mistério/espionagem? Porque em todos os que peguei recentemente não me dei ao trabalho de chegar ao fim. É pena. Mas o entusiasmo de uma leitura como esta acaba por compensar e apagar essas páginas perdidas.

E pronto, leiam lá que se não fosse bom eu não vinha para aqui dizer, já sabem do que a casa gasta.

Sinopse

“E se toda a sua vida, tudo aquilo em que acredita, não passar de uma mentira? O que faria?

Quando André Marques-Smith, o jovem director do Gabinete de Informação e Imprensa do Ministério dos Negócios Estrangeiros português é enviado à capital sueca, está longe de imaginar que aquele será um ponto de viragem na sua vida.
Ao serviço da Cadmo, a agência de espionagem semigovernamental para a qual secretamente trabalha, recupera a primeira parte de um grupo de documentos pertencentes a um cientista russo já falecido. Mas quando regressa a Portugal, tudo muda. Uma nova força obteve a segunda parte do projecto e, de uma forma violenta e aterrorizadora, resolveu mostrar ao mundo que está na corrida pelos estudos do cientista.
Por entre cenários reais de cidades como Estocolmo, Roma, Viena, Londres e Lisboa, a luta pelo inovador projecto começa, os disfarces sucedem-se, as missões multiplicam-se. E, enquanto é forçado a lidar com os condicionalismos de uma vida dupla, André vê-se inesperadamente envolvido num mundo de mentiras e traições, o mesmo que o levará a fazer uma descoberta que poderá mudar toda a Humanidade.
Vencedor do Prémio Literário Note 2012, O Espião Português funde elementos tradicionais da ficção de espionagem com uma abordagem inovadora, intimista e sofisticada. Thriller intenso e vertiginoso, ode à família, amizade e amor, este é um romance imprevisível e contemporâneo ao qual não conseguirá ficar indiferente.”

Topbooks, 2015

Anúncios

4 pensamentos sobre “O Espião Português – Nuno Nepomuceno

  1. Muito obrigado pelo convite. Foi com grande prazer que conhecia a roda e fico muito contente por teres gostado do livro. Beijinhos para todas 🙂

  2. Pingback: A Espia do Oriente – Nuno Nepomuceno |

  3. Pingback: A Célula Adormecida – Nuno Nepomuceno |

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s