O Legado de Nhô Filili – Luís Urgais

olegadodeNhôFililiNarrativa ao qual fiquei colada desde as primeiras páginas, surpreendida com a fluidez das palavras e a coerência dos pensamentos. O colorido próprio do arquipélago de Cabo Verde, que eu conheço de outros tempos em que não era tão apelativo como local de férias. Praias aprazíveis e paisagens áridas e despidas que o vento inclemente não poupa, sujeitas a esporádicas chuvas. E pobreza. E a catchupa (prato de carnes) e o grogue (tipo de aguardente).

Tal e qual como o Jorge profetizou quando mo emprestou. De que iria gostar. 
Romance histórico (finais do sec. XIX e princípio do sec. XX) sobre  Nhô Filili, personagem integra e destacado representante das autoridades em Cabo Verde que, enfrentou as convenções e a hipocrisia de uma sociedade racista por amor a uma escrava da Guiné, enquanto a escravatura embora abolida ainda vigorava.

A relação destas duas personagens marcada pelo respeito e admiração mútua que se estreitou quando Nhô Filili ensinou Guida a ler e partilharam serões literários entregues ao deleite de clássicos e contos.
Uma família multicultural que a mesquinhez, segregação e preconceitos atingiu através dos filhos mais velhos deste casal.  

Em causa, uma narrativa que parece extraída da oralidade, devido à fluência e ritmo que o autor imprimiu. Toda uma época em que os valores e mentalidades são retratados, bem como o modo de vida nas ilhas.
Tantos e bons argumentos para não perder esta leitura. Um romance que já tinha apreciado mas que receara que tivesse muitas semelhanças com o “Equador” de Miguel Sousa Tavares, o que não acontece (se a memória não me falha). Não fosse a sugestão de um inveterado leitor que admiro e teria-me passado ao lado.
Um prazer de ler!

Sinopse: Filho de minhotos, João Bento Rodrigues – que ficaria conhecido por Filili – nasceu na ilha do Fogo no ano da abolição da escravatura. O decreto não bastou, porém, para que se extinguisse o tráfico, até porque os negreiros tinham a cumplicidade das autoridades; e foi assim que Maguika, capturada nas matas da Guiné, se tornou propriedade de Nhô Filili, trazida por um negociante desejoso de, com presentes, o conquistar para genro. Contudo, assim que pôs os olhos na negrinha, João Bento Rodrigues já não voltou a olhar para outra mulher, afrontando a elite da capital ao entrar na igreja de braço dado com a escrava e, mais tarde, unindo-se a ela pelo santo matrimónio, desafiando preconceitos e convenções. Mas, se é verdade que as pretendentes não gostaram de se saber preteridas, quem mais sofreu foi Leila, a concubina com quem Filili mantinha laços íntimos e que, de repente, se viu sozinha na Cidade Velha com um segredo. O passado tem, no entanto, maneiras de regressar quando menos se espera. E, às vezes, ainda bem. 

 

Tendo por cenário o arquipélago de Cabo Verde entre a segunda metade do século xix e a primeira do século xx, O Legado de Nhô Filili é o retrato de uma África bela e sedutora, mas também dura e miserável, e bem assim uma metáfora da história da mestiçagem biológica e cultural e da génese dos movimentos pela independência das Colónias.

Anúncios

4 pensamentos sobre “O Legado de Nhô Filili – Luís Urgais

  1. Fico muito contente por teres gostado de “O Legado de Nhô Filili” de Luís Urgais. É um livro que tem passado despercebido e, no entanto, é um grande livro. Para além de a história nos prender logo na primeira página, a leitura da obra dá-nos vontade de fazer as malas e viajar pelas várias ilhas do arquipélago de Cabo Verde.
    “O Legado de Nhô Filili” é sem dúvida um dos melhores romances históricos que li recentemente!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s