Marginal – Cristina Carvalho

MARGINAL_PRÉ difícil ler seja o que for no estado de encantamento em que “Comboio Nocturno para Lisboa” me deixou. Quando uma leitura me marca parece que, mesmo começando outro livro, continuo a flutuar nela.

Incrível como nunca tinha lido um livro da Cristina Carvalho. Tenho vontade de ler mais apesar de não saber se fiz bem em ter começado pelo “Marginal”. Mas a capa encantou-me, desde o primeiro dia que vi que achei sublime, a perspetiva, a cor, acho perfeita e não me canso de olhar. São poucas as capas que me agradam, na sua maioria diminuem os livros e não passam de um “embelezamento” de mau gosto que só dá vontade de esconder. Mas neste caso completam-se, capa e livro, uma peça de arte.

Não tenho a certeza de ter entendido este livro. Não é que a dúvida me desagrade pois gosto de questionar, mas por vezes senti-me perdida nas descrições por não ser uma história linear, e sim uma sucessão de memórias de desabafos na primeira pessoa. Muitas vezes fechava o livro, observava a capa e imaginava a autora a escrever, à janela, a libertar memórias em catadupa. Dela? Que lhe foram contadas? Não sei. Mas tive margem para imaginar, o que é bom.

Revolução e tempos de mudança. A nossa história recente. Detalhes que vestem as personagens de forma única e que, inevitavelmente, me lembram sempre alguém.

Um livro que me permitiu participar criando, enchendo os espaços em aberto com as minhas próprias ideias.

A ler.

Sinopse

“Um dia, quando ela, a minha sogra, se preparava para ir para a praia com o seu belo fato de banho preto com rosas verdes e saiote compreensivo e vestida por cima com um vestido próprio de ir para a praia, calçada com sandálias brancas de salto alto próprias para ir para a praia e um chapéu de pano cheio de flores coladas, também de pano, próprio para ir para a praia e uns grandes óculos escuros, perguntei-lhe:

«Gosta desse seu fato de banho? Gosta mesmo? Da saiazinha a tapar as pernas e o desenho do rabo?»

Ela parou entre portas, tirou os óculos escuros e olhou para mim com o ar mais triste deste mundo e, com a boca praticamente fechada, murmurou qualquer coisa parecida com isto: «Sabes o que é que eu gostava mesmo? Era de me enterrar completamente nua na areia e sentir a areia húmida nas pernas, que me chegasse até às coxas, até às ancas e que eu me deixasse enterrar tanto e tanto e tanto que pudesse desaparecer para nunca mais ser vista…»

Isto disse a minha sogra entre portas. E saiu.

Uma mulher e um achado assombroso que revela instantâneos de uma juventude enterrada na rotina dos dias. Um passado vivido ao longo dessa emblemática estrada que liga a dourada sociedade da Linha de Cascais à cidade de Lisboa. Onde começa a margem e termina o «dever ser» para uma jovem portuguesa, nas décadas de 50 a 70 do século passado? Pode uma dúzia de imagens de um passado rebelde abalar a calma de um presente sem cor? Uma vez mais, a voz literária de Cristina Carvalho arrasta-nos para um território humano que não se rende às conveniências, nem às evidências. Uma voz sempre aberta ao inesperado e que nos surpreende a cada história para a qual nos convida a entrar.”

Planeta, 2013

Anúncios

2 pensamentos sobre “Marginal – Cristina Carvalho

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s